Ups, não tenho inteligência emocional e agora?

Inteligência emocional é um conceito já muito estudado, divulgado e falado, devido à sua grande importância, tanto na vida profissional, como na vida pessoal.




Já vimos, no artigo anterior, que a Inteligência emocional engloba a autoconsciência emocional (reconhecer emoções); a empatia; a automotivação; gestão de relacionamentos; e gestão emocional (autodomínio). E como este conceito é tão importante na vida de qualquer pessoa.


Então, mas se eu não sou inteligente emocionalmente, será que posso ainda vir a ser?

A resposta é SIM! Existe algo que se chama plasticidade neuronal, que é o facto de os nossos neurónios, ao contrário do que se pensava, não estarem só a morrer. Existem novas ligações neuronais no nosso cérebro, com determinadas experiências e aprendizagens, ao longo do tempo, isto indica-nos que podemos aprender, também a sermos inteligentes emocionalmente. Para isso precisamos treinar alguns aspetos. É como ir ao ginásio para treinar e fortalecer os nossos músculos. Com o cérebro funciona da mesma forma. Portanto, a inteligência emocional pode ser treinada, mas é necessário que se faça uma avaliação do comportamento, formas de reagir, de estar, de tomar decisões. A pessoa precisa de se colocar em causa e não assumir que já está pronta e que a sua forma de pensar é a melhor.


Algumas dicas para trabalhar a inteligência emocional são:

1) Estar atenta às minhas reações para com os outros: julgo antes de conhecer todos os factos? Sinceramente, como é que eu penso e interajo com os outros? Será que eu tenho sempre razão? Consigo ver o lado do outro, compreender as suas razões, perspetivas e necessidades?


2) No seu ambiente de trabalho: procuro as atenções para as minhas conquistas? A humildade é um bom aliado e isso não é ser tímida ou insegura, mas entender que os outros também fazem coisas bonitas e eu não tenho que ser sempre elogiada.


3) Humildade: saber as minhas qualidades, feitos e não precisar de os apregoar. Posso silenciar e ficar confiante do meu bom trabalho. Poder dar a oportunidade a outros de serem aplaudidos. Quem sabe até ser eu a elogiar outros e não centrar em mim.


4) Fazer uma auto-avaliação: ter a humildade de ver os meus erros e perceber que não sou perfeita, que tenho caminho a percorrer e posso trabalhar algumas coisas em mim.


5) Como reajo a situações stressantes: fico aborrecida, ou chateada mesmo, quando há um atraso ou algo não acontece como gostaria, ou pensava? Como é importante manter a calma e o controlo da situação em momentos difíceis, peculiares, sensíveis.


6) Assumir responsabilidades: aceitar os meus erros, reconhecer onde errei e pedir desculpa pelas minhas atitudes erradas, sem rodeios, nem desculpas para os meus erros. E não evitar a pessoa para não a encarar e assumir a minha responsabilidade.


7) Impacto emocional das minhas ações nos outros: pensar nas minhas decisões e se elas afetarão os outros, se sim, preciso colocar no lugar deles e compreender como se vão sentir e o que posso fazer para mudar, de forma a não magoar ninguém, ou escolher o caminho que traga menos danos possíveis.


Bem, agora é trabalhar. Comece por ir treinando um ou dois aspetos e vá aumentando à medida que consegue consolidar esses passos. Bons treinos.


Marta Faustino

13 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo