top of page

Intimidade emocional: o elo de ligação nos casais

A vida a dois é muito intensa e exigente e, pode mesmo levar o casal a um desgaste extremo, onde a comunhão e a boa vivência a dois se tornam quase impossível. Por isso, a intimidade emocional é tão importante na vida a dois e necessita ser cultivada.

O que é isto de intimidade emocional?



Quando nos decidimos por alguém é porque já passamos por um processo de conhecimento mútuo e percebemos que aquela pessoa “combina” comigo, pois partilhamos gostos, ideais, valores, sonhos e, por isso, decidimo-nos um pelo outro. Mas o conhecimento do outro não termina aqui e para vivermos em harmonia precisamos investir na nossa intimidade emocional, isto é, no conhecimento total do outro para que, aos poucos, nos possamos encaixar melhor, e viver de forma mais harmoniosa e leve.


A intimidade emocional é quando nós conseguimos partilhar tudo com o outro, isto é, não só mostrar as coisas em que sou bom, as minhas qualidades, potencialidades, mas é, exatamente, mostrar também as minhas fragilidades, onde não sou capaz de fazer tão bem, os momentos em que me descontrolo e não sei gerir as minhas emoções, as minhas incapacidades e defeitos, para que juntos possamos trabalhar isso um no outro e proporcionarmos o bom ambiente, com o intuito de o outro crescer, fortalecer e não o contrário.


Então, para que haja intimidade emocional eu não posso ter medo de mostrar a minha fragilidade ao outro, não posso ter receio de mostrar quem eu sou.


A fragilidade humana, a nossa vulnerabilidade, também faz parte de nós e precisamos assumir a sua existência, descobri-la em nós, aceitá-la, para a trabalharmos. Não dá para vivermos negando a nossa vulnerabilidade e tentarmos mostrar-nos sempre fortes e capazes de tudo, pois algum dia isso vai falhar e vou-me sentir destroçado, até mesmo com alguma crise de identidade, pois nunca quis descobrir isso em mim.


O casal necessita, então, de trabalhar muito o autoconhecimento e conhecimento do outro, perceber como lida com as emoções e como o outro lida: como é que ele fica quando vê que não consegue resolver o problema elétrico em casa? Como é que ela fica quando precisa gritar com um filho? Como é que ele gere a raiva dele? Como é que ela gere os horários apertados? Quando ela vem mais cansada do trabalho precisa de um tempo a sós para acalmar ou ele precisa de um banho para relaxar antes de assumir os miúdos. Sempre que a tia liga ela fica mais sensível. Sempre que há jogo ele fica mais enervado. Ele não consegue lidar com o orgulho. Ela não sabe dizer não a ninguém… precisamos estar mais atentos ao outro e ao modo como ele sente, vive, age para não sermos causa de mais desgosto, de mais sofrimento para o outro, mas um modo de tornar mais leve o dia dele, se ambos fizerem isto conseguem uma maior intimidade emocional e, consequentemente, uma harmonia e leveza em casa.


Concluindo, intimidade emocional é uma ligação profunda, onde ambos partilham o mais íntimo deles mesmos, os sonhos, os gostos, os desejos, as metas, inclusive as suas fragilidades, medos, angustias, e, desta forma, conseguem estar mais em sintonia um com o outro, apoiando-se e incentivando-se e, assim, irem proporcionando momentos prazerosos ao outro também.


Marta Faustino

Psicóloga Clinica

31 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page