Que valor atribuo ao tempo?

Atualizado: 12 de fev.

Ainda neste inicio de ano é tempo de pensarmos sobre nós e a nossa vida. É o tempo propício ao recolhimento, introspeção e reflexão íntima sobre nós, as nossas prioridades, os nossos sonhos e metas.



Para onde caminho? Tenho um rumo na minha vida ou vou ao sabor do vento? Será que tenho objetivos a alcançar ou deixo a vida seguir e faço o que me for apresentado, como bom para mim?


Um ponto interessante a pensar é como lido com o tempo? Como gerencio o meu tempo? Que valor dou ao tempo?


Ouvimos muito a expressão “tempo é dinheiro”, será que é mesmo? É essa a minha visão? Esta visão materialista do tempo, da vida, é a que tenho como minha forma de ser e estar no mundo? Que lugar ocupa o dinheiro para mim?


O tempo é um bem precioso, pois sabemos que ele não volta. Até podemos querer muito viver algo, que já vivemos, e tentar fazer, exatamente, o mesmo, no mesmo lugar, com as mesmas pessoas, mas não será nunca o mesmo, pois aquele momento passou e levou com ele toda a novidade do instante. Desta forma, como valorizo o meu tempo?


Viktor Frankl, psiquiatra e preconizador da Logoterapia, em determinada altura, falou sobre o dinheiro e disse o seguinte: “Devemos ter o necessário para não se preocupar com ele e não o demasiado para ocupar-se dele … é dito que tempo é dinheiro. Para mim, o tempo significa muito mais que dinheiro. Somente quando estou convencido que uma conferência realmente tem sentido, estou disposto a dá-la, mesmo sem receber honorários.”


Podemos refletir sobre estas palavras e depreender que o dinheiro não nos deve ocupar a mente e o nosso tempo. Portanto, não devemos viver para comer, trabalhar e ganhar dinheiro, mas, antes, comemos para viver, trabalhamos para ter sentido na vida e ganhamos dinheiro o suficiente para vivermos bem e tranquilos. Não podemos deixar-nos ser escravos do dinheiro e viver preocupados com o que temos, o que não temos e o que gostaríamos de ter, pois perdemos o nosso precioso tempo e quando damos conta não viemos, não soubemos aproveitar o nosso tempo e desfrutar a vida.


Quando dou valor ao tempo e um sentido muito maior do que dinheiro, eu gozo de cada momento, não pelo que vou receber, mas pela experiência que dali retiro.


Por isso é que o nosso trabalho precisa ser vivido com sentido, isto é, eu trabalho porque gosto do que faço, atribuo-lhe um sentido e isso realiza-me. Desta forma, eu não trabalho para ganhar dinheiro no final do mês, mas porque desfruto de cada momento que tenho durante o mês de trabalho. Na verdade, o meu salário é o que vivo diariamente, é o sorriso que deixo nas pessoas, quando as atendo bem, com educação; a resolução de um problema técnico que faço; a limpeza que executo com esmero; o suporte que dou aos necessitados com quem trabalho; o cuidado que tenho para com as pessoas que me rodeiam; entre tantas outras atividades que faço e que são o meu trabalho diário.


Da mesma forma, eu estou com alguém não pelo benefício que essa pessoa me dá, mas porque desfruto da sua presença.


Boas reflexões.


Marta Faustino

11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo